terça-feira, 10 de setembro de 2013

O Gaseador louco de Mattoon

gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
  No meio da noite, uma figura sinistra aleatoriamente ataca a residência de suas vítimas, injetando um gás venenoso desconhecido, que provocava efeitos nefastos. Então, em meio à escuridão, ele misteriosamente desaparece, sem deixar pistas ou então deixando uma trilha que termina em nada. Seria uma entidade sobrenatural, um ser interdimensional ou então uma experiência secreta do governo?

  Da mesma forma que o enigma de Jack, o Estripador assombra o reino britânico até os dias de hoje, pode-se argumentar que um dos mistérios não resolvidos mais intrigantes da história dos Estados Unidos é a identidade de um personagem sombrio que perseguia os moradores da cidade rural de Mattoon, Illinois, infectando suas casas com um vapor pútrido, antes de desaparecer sem deixar vestígios. Esta figura nefasta chegou a ser apelidada de "O Gaseador Louco de Mattoon," devido aos ataques realizados por ele em Mattoon, mas esse não foi o único incidente em que este vilão esteve envolvido.


gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
  A lenda do Gaseador louco de Mattoon - também conhecido como o "Fantasma Anestesista" - começou (apropriadamente), na pequena cidade de Mattoon, Illinois, em 1944. Entre as datas de 31 de agosto e 13 de setembro, uma figura misteriosa vestindo preto, iria espalhar um reino de terror com uma série de "ataques com gás." Embora os agentes da polícia e do FBI tentaram atribuir a coisa toda como um caso clássico de histeria em massa, as evidências suportam o fato de que durante algumas semanas em 1944, uma pessoa não identificada (ou pessoas) conseguiu infiltrar-se nas casas dos cidadãos locais com uma substância gasosa desconhecida, que tornou - por meios ainda não identificados - os ocupantes incapacitados ou violentamente doentes.
  Desde 1944 debates têm ocorrido quanto à verdadeira identidade do misterioso Gaseador. Alguns têm especulado que ele era um cientista louco, enquanto outros sugerem que ele era um agente do governo testando uma nova arma baseada em aerossol.
  Outros ainda têm teorizado que ele poderia ser um veterano da Primeira Guerra Mundial enlouquecido, marcado pelos ataques com gás horrivelmente cruéis que reivindicaram muitos nas trincheiras. Alguns acreditam que foi o trabalho de jovens delinquentes astutos com um conjunto de química e muito tempo em suas mãos, e outros ainda insistem que ele era nada menos que um extraterrestre realizando algum tipo de experiência estranha em seres humanos.
  Qualquer que seja a origem que seja, a dessa entidade enigmática, os fatos que cercam a série bizarra e aterrorizante de eventos em Mattoon, eles ficaram conhecidos e foram narrados muitas e muitas vezes, mas não foram tão famosos como os outros casos que vão ser narrados à seguir: Outros ataques do Gaseador aconteceram na Flórida e Virginia, mais de 10 anos antes dos eventos horríveis que colocaram Mattoon no mapa dos mistérios bizarrros.


O Fantasma Anestesiador do Condado de Botetourt, Virgínia.

   A primeira sequência de eventos começou em uma área rural do Condado de Botetourt, Virginia. Um homem com o nome de Cal Huffman, juntamente com sua esposa, seis filhos e uma família de amigos, alegam terem sido assediados por um atacante estranho que parecia nunca ter sido antes visto, pelo menos não nos Estados Unidos.
  De acordo com o testemunho do Huffmans, por volta de dez horas da noite, sua casa foi tomada por um vapor não identificado, deixando a Sra. Huffman doente. Ela retirou-se, juntamente com as crianças, esperando que depois que dormisse, desapareceria a náusea que sentia. Enquanto isso, seu marido permaneceu acordado para ver se a figura furtiva que tinham visto anteriormente, retornaria. Ele não foi desapontado.
  Apenas meia hora depois, Cal percebeu que sua casa havia mais uma vez sido preenchida por gases nocivos. Enquanto ele aparentemente não encontrou o "Fantasma Anestesista," Cal não perdeu tempo inalando o gás na casa, ele foi para a casa do proprietário das terras - K.W. Henderson - quando então, ele usou o telefone para chamar a polícia local.
  Cal e o filho de Henderson, Ashby, voltaram para a casa de Huffman, onde eles encontraram o Oficial Lemon, que tinha sido enviado para o local. Lemon, Ashby e Cal mantiveram uma vigilância atenta até meia-noite, quando o superior de Lemon o chamou de volta. Aproveitando essa deixa, o Gaseador voltou, desta vez preenchendo ambos os níveis da casa com seu gás putreficante.

  A filha de 19 anos de idade de Cal, Alice Huffman, ficou inconsciente depois de respirar a neblina evidentemente tóxica, e foi necessária respiração artificial para restaurar a sua respiração. A adolescente supostamente sofreu uma série de convulsões graves por semanas após o incidente.
  Os outros membros da família Huffman - assim como Ashby Henderson - sofreram náuseas, dores de cabeça e uma constrição dos músculos da garganta após este terceiro ataque com o gás. Após o ataque, ambos Cal e Ashby juraram ter visto uma "sombria" figura masculina fugindo de lá para a escuridão da noite, mas não foram capazes (ou, possivelmente, não querendo) de persegui-lo.
  O Dr. W.N. Breckinridge foi levado pela polícia para ajudar a descobrir que tipo de gás havia sido usado para incapacitar a família Huffman. Durante o curso de sua investigação, Dr. Breckinridge conseguiu encontrar vestígios de gás lacrimogêneo e clorofórmio, mas não conseguiu identificar a verdadeira origem do gás. Na verdade, a única pista sobre o culpado, foram marcas de sapato de uma mulher que foram descobertas pelo Oficial Lemon, abaixo da janela de onde o gás supostamente emanou. É interessante notar que pegadas semelhantes foram encontrados em algumas das cenas dos ataques de Mattoon em 1944.



24 de Dezembro de 1933 – Cloverdale:

  A cidade vizinha de Cloverdale - que também está localizada no Condado de Botetourt - foi o local do próximo ataque. O episódio começou por volta das 21 horas. Na véspera de Natal, Clarence Hall, sua esposa e dois filhos voltaram para casa depois de um culto na igreja. Momentos depois que eles entraram na sua casa, a família Hall notou um odor estranho pairando no ar.
  Clarence inspecionou devidamente a casa , voltando minutos depois em um estado de estupor. A Sra. Hall, que a esta altura, também estava começando a sentir os efeitos da neblina, não perdeu tempo em puxar o marido quase inconsciente (e , presumivelmente , os seus filhos) para fora da casa infectada. Os efeitos colaterais do gás aparentemente não foram duradouros e Clarence rapidamente se recompôs, mas a Sra. Hall queixou-se de uma irritação ocular grave nos dias seguintes.
  A polícia e o Dr. Breckinridge novamente compareceram à cena deste bizarro - e aparentemente desmotivado - "ataque de gás", mas desta vez eles chegaram antes que a névoa tivesse a chance de se dissipar por completo. Dr. Breckinridge afirmou que o gás "tinha gosto doce" e parecia ter um sabor de formaldeído. Novamente, o ilustre doutor foi incapaz de identificar definitivamente a substância. Embora não tivessem encontrado pegadas femininas no local, um dos policiais notou que um prego havia sido retirado da janela, presumivelmente para permitir que um pequeno tubo entrasse através do orifício de madeira, a fim de liberar a toxina vaporosa.
  Hall rapidamente enviou sua família para ficar com alguns amigos e recrutou um grupo de homens do bairro que passou o resto da noite vigiando na área arborizada perto de sua propriedade, com o intuito de capturar o "anestesista". Essa busca finalmente provou ser pouco mais do que perda de tempo.
  Enquanto a maioria dos homens locais foram marchando pelo bosque, o vizinho dos Hall, Emmett Lee, estava convencido de que ele ouviu vozes estranhas do lado de fora de sua janela. Lee pegou sua espingarda e atirou para o alto para espantar os pretensos invasores. Então, ele e sua esposa Laura, chamaram todos os dez de seus filhos e os mantiveram no andar de cima da casa  pelo resto da noite, temendo que o Gaseador atacasse a sua casa.
 


27 de Dezembro de 1933 – Troutville:

gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
  Apenas três dias depois, o Gaseador louco aparentemente atacou novamente, quando ele pulverizou sua névoa venenosa em A.L. Kelly e sua mãe, na sua casa em Troutville. Desta vez, no entanto, as testemunhas foram capazes de denunciar o que pode ter sido a primeira prova tangível do Gaseador ... ou Gaseadores, como a evidência parecia indicar.
  Mais tarde, Kelly disse a policiais que ele havia notado um Chevrolet cruzeiro 1933 suspeito em frente à casa isolada que ele dividia com sua mãe. Ele informou ainda que o veículo parecia estar ocupado por um homem e uma mulher. Um dos vizinhos de Kelly conseguiu anotar uma parte da numeração da placa, mas a polícia não conseguiu identificar o veículo ou seus proprietários.
  Na sequência destes acontecimentos, o pânico se espalhou pela comunidade como um incêndio, e os meios de comunicação locais entraram em frenesi, publicando todos os tipos de especulações sobre as origens e os propósitos nefastos do demônio que eles apelidaram de "O Anestesiador Errante". Pais de família mantiveram longas vigílias noturnas à frente de suas varandas com seus fuzis à mão, enquanto as mães tampavam as fechaduras e cada rachadura que pudessem encontrar, com trapos.
  Mesmo o quadro de supervisores do Condado de Botetourt, tomou a medida extrema de oferecer 500 dólares de recompensa - uma soma substancial considerando-se que a Grande Depressão ainda estava em vigor - para a captura deste monstro inescrutável. A recompensa até hoje, não foi reivindicada.



10 de Janeiro de 1934 – Fincastle:

  O Gaseador Louco havia desaparecido por quase duas semanas, quando então ele resolveu aparecer novamente. Homer Hylton estava dormindo com sua esposa em um quarto no andar de cima da casa, enquanto sua filha, a Sra. Moore - cujo marido estava viajando a negócios - dormia em um sofá no andar de baixo, perto de seu filho ainda bebê. Moore afirmou que ela tinha acordado para cuidar do bebê por volta das 22 horas., quando ouviu os sons de "vozes murmurando" como se alguém tentasse abrir uma janela próxima, que possuía um minúsculo vão nela.
  Antes que ela pudesse reagir, o quarto de repente começou a se encher com uma rança poluição. Moore rapidamente pegou o seu bebê e saiu da sala, sentindo o que ela descreveu como um "sentimento marcante de dormência." Moore e seu filho conseguiram escapar ilesos, as autoridades mais tarde especularam que o vão na janela foi o canal através do qual o Gaseador diabólico se infiltrou na casa.
  O vizinho dos Hylton, G.E. Poage, confirmou que ele também ouviu vozes do lado de fora, aproximadamente na mesma hora. Mais tarde, naquela mesma noite, um morador de Troutville chamado G.D. Kinzie, teria sido vítima de mais ataque de gás venenoso articulado pelo Anestesista Fantasma.




16 de Janeiro de 1934 – Bonsack:

   Menos de uma semana depois, o Gaseador atacou F.B. Duval em sua casa perto de Bonsack. Duval não
gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
perdeu tempo em sair de sua casa, a fim de chamar alguns oficiais da lei.
  Duval afirmou que em seu caminho para a delegacia, ele viu um homem correr para um carro estacionado em um cruzamento e acelerar para longe da cena.
  Duval e, o agora experiente perseguidor do Gaseador Louco, Oficial Lemon, cruzaram a área por horas procurando o veículo sem sucesso.
  Lemon, no entanto, encontrou as impressões de sapato de uma mulher assustadoramente semelhantes às que ele descobriu fora da casa dos Huffman, perto de onde o carro misterioso estava estacionado.



19 de Janeiro de 1934 – Cloverdale:

   Apenas três dias depois, o Gaseador supostamente entrou em ação novamente perto de Cloverdale. Desta vez, ele foi acusado de pulverizar a janela da esposa de um ex-juiz, chamada Sra. Campbell. Campbell afirmou que ela estava sentada perto de uma janela aberta, quando a atmosfera inexplicavelmente mudou. Segundos depois, ela sucumbiu a um sentimento intenso de ataques de náusea. Os ataques do Gaseador começaram a aumentar em frequência neste momento, com nada menos que cinco relatos de encontros que ocorrem ao longo de três noites.



21 de Janeiro de 1934 – Troutville-Cloverdale:

gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser O primeiro aconteceu no dia 21 de janeiro, quando Howard Crawford e sua esposa entraram na sua casa, que ficava localizada entre Troatville e Cloverdale. O Sr. Crawford entrou primeiro, mas antes que ele pudesse acender a luz, ele cambaleou para trás, sitiado pela nuvem de gás que preenchia sua casa.
  Os policiais foram rápidos em chegar ao local, mas - assim como nos outros ataques - haviam poucos indícios do Gaseador. Talvez a mais atordoante, apesar de inútil, evidência encontrada no local, foi uma manivela de um automóvel antigo. Os oficiais e os Crawford estavam perplexos com a descoberta, mas foram incapazes de recolher qualquer informação adicional do instrumento.
  À esta altura, a polícia e a imprensa tinham registrado mais de uma dezena de relatos de ataques com gás e foi então que o ilustre jornal New York Times, finalmente ficou sabendo deste gaseador aterrorizante. Em uma história que publicou sob o título: "Virginianos são aterrorizadas por atirador de gás, que foge pela noite após deixar vítimas doentes", o Times pegou o que antes era uma anomalia local e transformou-a em uma curiosidade internacional.
  O dia seguinte em que a história foi publicada, a Assembleia Geral da Virgínia aprovou um projeto de lei criada pelos delegados de Roanoke, Blair Fishburn e W.H. Scott, bem como o Sr. Morgan de Botetourt, que fez do "gaseamento" um crime punível com até 10 anos de prisão. Esta lei estranha ainda consta nos livros, na Virgínia.



22 de Janeiro de 1934 – Carvin’s Cove:

 Aparentemente, a nova lei pouco fez para deter o entusiasmo do Gaseador Espectral, pois esta noite viria a ser a mais prolífica para o químico vicioso. Durante o curso de apenas uma hora, pelo menos três conjuntos
gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
de vítimas alegaram ter sido agredidas por vapores terríveis na Enseada de Carvin, que está localizada a poucos quilômetros a nordeste de Cloverdale.
  A primeira vítima de infame gaseador foi Ed Reedy, que alegou sofrer sintomas que incluem náuseas e dormência. Ele foi seguido por Raymond Etter, cujo filho alegou ter perseguido e disparado tiros em um "homem" que fugia apressadamente da casa de Etter. Infelizmente, o fugitivo conseguiu conseguiu iludir seu perseguidor.
  A última vítima da noite foi George C. Riley. Depois do ataque que sofreu, Riley conseguiu escapar para o porão de seu irmão, que era um oficial do Departamento de Polícia de Roanoke. Rapidamente, a polícia montou bloqueios estacionados por toda a área, em um esforço sem precedentes para finalmente capturar esse enlouquecido corruptor da atmosfera. Apesar dos melhores esforços dos oficiais, o Gaseador (não surpreendentemente) conseguiu escapar mais uma vez das autoridades.



23 de Janeiro de 1934 – Igreja de Pleasantdale:

gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
 O próximo encontro começou quando a Sra. RH Hartsell e sua família retornaram à sua casa adjacente à Igreja de Pleasantdale às 4:30 da manhã, depois de passar a noite com os vizinhos. Os Hartsells ficaram consternados ao descobrir que as portas de sua casa haviam sido bloqueadas por montes de madeira e detritos. Quando eles removeram os obstáculos, ficaram ainda mais angustiados ao descobrir que a casa estava preenchida por uma névoa misteriosa.
  Esta foi a gota d'água para os bons cidadãos do Condado de Botetourt. As famílias que estavam isoladas de seus vizinhos, começaram a se unir em casas individuais e armaram vigilância, tomando para si a tarefa de patrulhar as estradas após o anoitecer.
  A polícia ficou preocupada que algum carrinho de bebê inocente pudesse tornar-se vítima desses locais armados e investigou o caso com mais intensidade; e o 'Roanoke Times' implorou aos patrulheiros amadores da noite que abstivessem-se de disparar armas de fogo sobre os seus concidadãos.
  As autoridades - que inicialmente haviam rejeitado os ataques de gás como mera brincadeira engendrada por delinquentes juvenis - foram forçados a admitir que o Gaseador Louco era algo real e perigoso. Então cresceu a especulação de que o autor poderia muito bem ser um veterano da Primeira Guerra Mundial enlouquecido que trabalhou com gases letais durante a Grande Guerra.



28 de Janeiro de 1934 – Cloverdale:

gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser Um agricultor de Cloverdale chamado Ed Stanley, sua esposa, um capataz e outros dois, estavam dentro da
casa de Stanley quando ela começou a encher-se com uma névoa inexplicável. O capataz, um amigo de Ed chamado Frank Guy, correu para fora e jurou que viu quatro homens correndo em direção à uma área densamente arborizada, na base das montanhas Blue Ridge.
  Sabendo muito bem que ele provavelmente testemunhou o notório Gaseador Louco e sua gangue de malfeitores, Guy correu de volta para a casa de Stanley, pegou seu rifle e correu de volta para fora. Os homens já haviam desaparecido, mas Guy alegou que ele podia ouvi-los sussurrando na floresta próxima. Ele disparou uma saraivada de balas em direção aos ruídos, mas não teve certeza se acertou algum deles.



29 de Janeiro de 1934 – Cloverdale:

 A seguir, o Gaseador, pela primeira vez, voltou para a mesma residência em uma noite consecutiva. Stanley afirmou que ouviu um barulho do lado de fora da janela antes que a sala se enchesse de gás. Inexplicavelmente, os relatos terminaram abruptamente com o fato.



3 de Fevereiro de 1934 – Nace:

  A.P. Skagges, juntamente com sua esposa e mais cinco amigos, estavam todos intensamente enojados com o gás, que eles acreditavam haver chegado em duas doses separadas. Em resposta aos que duvidavam da veracidade da história dos Skagges, o xerife Williamson declarou: "Nenhuma quantidade de imaginação do mundo faria as pessoas tão doentes como os Skagges ficaram."
 O Oficial Lemon foi novamente enviado para a cena. Desta vez, ele observou que a névoa fez mais do que causar náuseas e convulsões. Na verdade, os sintomas apresentados por alguns da família Skagges se pareciam mais como se tivessem sido expostos a uma dose extraordinariamente grande de drogas alucinógenas. Um dos sobrinhos dos Skagges teve um ataque histérico, gritando que ele estava "preso" dentro da casa.
gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser
  O cão de estimação da família também parecia estar sofrendo os efeitos deletérios da exposição ao gás, como Lemon notou quando ele voltou no dia seguinte. As crianças Skagges estavam todas chorando ao verem como seu cão freneticamente rolava e convulsionava na neve, como se estivesse tentando desalojar o spray fétido de um gambá. O cão aparentemente permaneceu doente por dias, mas finalmente se recuperou.
  Durante a semana que se seguiu, houve uma lista de relatórios sobre o Gaseador com um raio de 30 milhas do Condado de Botetourt. A maioria dos relatos não passavam de histeria ou hoaxes, incluindo adolescentes jogando uma garrafa de inseticida através da janela de uma mulher. Embora o incidente não tivesse claramente a sutileza empregada pelo Gaseador Louco, foi o suficiente para a polícia local descartar a coisa toda - da mesma forma como as autoridades de Mattoon, uma década mais tarde - nada mais do que a histeria alimentada pela brincadeira ocasional.




9 de Fevereiro de 1934 – Lithia:

  O ataque final do Gaseador Louco do Condado de Botetourt, ocorreu naquela mesma semana. J.G. Shafer afirmou que o Gaseador se infiltrou em sua casa, mas conseguiu escapar através dos montes de neve perto de seu celeiro. Shafer conseguiu assegurar uma amostra de neve fora de sua janela, que parecia ter o resíduo da névoa incorporado. O material cheiroso foi analisado e mostrou-se conter arsênico e enxofre, dois ingredientes muitas vezes encontradas em inseticidas da época.
gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser  Os policiais seguiram pistas do culpado que seguiam para o celeiro, atrás da casa de Shafer, mas ficaram
perturbados ao descobrir que não havia ninguém no celeiro... e, ainda mais preocupados, não havia trilha alguma levando para longe dele. Isto levou alguns a especular que Gaseador Louco pudesse ser uma entidade paranormal (ou mesmo inter-dimensional), depois de tudo. Deve também notar-se que uma trilha que mostrava claramente ser de um par de "sapatos de mulher" foram encontrados emergindo da propriedade para a rua.
  Em um esforço inútil para acalmar o pânico que atingiu a população, a polícia e outras autoridades locais, divulgou um comunicado dizendo que o Gaseador Louco era nada mais do que histeria em massa, causado por dutos de chaminé com defeito, que afetaram negativamente o sistema respiratório das vítimas. Não preciso nem dizer que as pessoas mais próximas à investigação - como as dezenas de vítimas, ou o Oficial Lemon - refutaram a explicação oficial deste caso intrigante.
  É importante notar também, que estes ataques pareceram parar em conjunto com estas, francamente absurdas, desmentidas oficiais da existência do Gaseador. Será que isso indica que uma agência do governo pode ter sido responsável por estes experimentos, e então obrigou as autoridades locais a omitir toda a série de eventos para evitar mais pânico, ou seria então apenas uma coincidência?


 O Gaseador Louco do Condado de Lake




8 de Novembro de 1935 – Condado de Lake:

  O próxima ataque pré-Mattoon do Gaseador Louco, aconteceu no povoado do Condado de Lake, na Flórida.
gaseador, louco, anestesista fantasma, mattoon, entidade paranormal, gás, mad gasser

  O respeitado criptozoologista, Loren Coleman, desenterrou a história deste anestesista lunático, que aparentemente estava fazendo muito mais do que simplesmente provocar náuseas em suas vítimas. Esta história foi tão importante que ganhou a primeira página no jornal. Aqui está o artigo:

"Este autor parece ter um modus operandi claramente mais materialista do que os Gaseadores Loucos do Condado de Botetourt, ou mesmo que de Mattoon. Isso levou muitos a acreditar que o vilão com a arma de gás, era mais provável que não um simples ladrão, com uma mente não tão simples. Ele (ou ela) poderia ter sido um médico, um enfermeiro, um químico, um assistente de medicina veterinária ou envolvido em qualquer número de carreiras que lhe deu acesso aos produtos químicos que poderiam deixar os seres humanos inconscientes.
  Seja qual for a sua ocupação (ou espécie, devido à natureza dos fatos), nós, aninhados confortavelmente aqui no século 21, seríamos negligentes ao descontar o verdadeiro terror que se apoderou do Condado de Botetourt em 1933 e 1934. Robert Bartholomew, que escreveu sobre o assunto tinha que dizer isto: "Se você quer saber o que era viver em Roanoke e Botetourt naquela época, foi como depois de 11 de Setembro nos Estados Unidos."




 CONCLUSÃO:

  Então o que devemos pensar a respeito dos Gaseadores dos Condados de Botetourt e Lake? Os culpados nunca foram presos, isso é muito claro, mas o que aconteceu com eles ? Será que eles, como muitos acreditam, se calaram durante a maior parte de uma década antes de retornar a seus maus caminhos em Mattoon , Illinois, em 1944 ?
  Foram eles realmente veteranos de guerra enlouquecidos ou agentes governamentais insidiosos, testando os efeitos deletérios de uma nova arma, através da experimentação sobre os cidadãos inocentes estadunidenses? O mais intrigante, é o fato de que ninguém nunca encontrou as trilhas que levavam para longe do celeiro Shafer, poderia isso confirmar que estes eram realmente extraterrestres - ou possivelmente sobrenaturais - entidades que se locomoviam aos locais através de outras dimensões ou em ONVIs ?
  No que diz respeito à descoberta de várias pegadas femininas nas cenas dos crimes, isso significa que o Gaseador era uma mulher, ou, talvez, parte de um casal? Possivelmente um peculiar, farmacologicamente conhecedor "Bonnie e Clyde", que por razões além de nossa compreensão, se encarregaram de encher as casas de estranhos com emanações nocivas. Outro fato bizarro, houve mesmo relatos não confirmados de "homens macacos " na área do gaseamento, que lança uma luz totalmente diferente sobre o caso. Criaturas bizarras vindo de outra dimensão? Experimento governamental secreto?
  No fim das contas, é o "por quê" que permanece tão desconcertante para a maioria dos pesquisadores. Simplesmente não há motivação clara para essas invasões sinistras às casas, mas a semelhança dos ataques em Virgínia e Illinois - e , em menor grau, na Flórida - parecem indicar um padrão distinto de ataques aparentemente aleatórios em vítimas de pouca ou nenhuma riqueza ou influência política por uma pessoa ou pessoas, cuja agenda permanece tão misteriosa hoje como era há quase 80 anos.

  Talvez a melhor descrição do Gaseador louco que pode ser oferecida, foi escrita por Donald M. Johnson na edição de 1954 do 'Journal of Abnormal and Social Psychology'. Em seu artigo "O anestesista Fantasma de Mattoon: Um estudo de campo sobre histeria em massa", Johnson chamou o gaseador de uma "manifestação sombria de algum desconhecido inimaginável". Essa descrição parece enquadra-lo muito bem.





Compartilhe no Facebook Compartilhe no Tweeter Compartilhe no Google+ Inscreva-se no nosso Feed Voltar ao Início Image Map

Comente com o Facebook: