quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Assombração em Wells Hall

  Uma misteriosa assombração ronda os corredores do prédio de uma universidade nos Estados Unidos.

  O prédio estava em silêncio. Wells Hall, construído em 1938, é o lar de Departamento de Comunicação e Mídia em Massa da Universidade Estadual de Northwest Missouri, e duas emissoras de rádio. Durante o ano letivo, os alunos trabalham em projetos, ou em meios de comunicação do campus, à todo o tempo. No entanto, aos domingos, em junho, o prédio está vazio, pelo menos de pessoas vivas.
  A colegial sênior Victoria Bailey sentou-se no estúdio de rádio KXCV em torno das 08:00 de domingo dia 09 de junho, quando ela percebeu que poderia não estar sozinha. "Eu estava reunindo notícias, e eu vi algo passar pela janela de observação", disse ela. "Foi com o canto do meu olho. Eu me virei muito rápido para ver se eu poderia ver quem era e não havia nada. "


  Ela levantou-se e caminhou para o longo corredor que a pessoa teria que passar para ir para baixo, mas ela estava sozinha. "Ninguém fica aqui aos domingos", disse ela. "Nem mesmo os faxineiros."
  Victoria desconsiderou o que ela pensou que tinha visto e voltou ao trabalho. Em um intervalo, ela foi para o corredor para pegar um copo de água. "Eu pensei que eu vi alguém no corredor por uma porta de vidro", disse ela. "Eu olhei para cima depois que eu peguei o meu copo e ninguém estava lá." Ela pensou que ela poderia ter visto outro colegial chegando cedo para assumir o seu posto, mas rapidamente descartou essa ideia. "Naquele momento, eu estava um pouco assustada", disse ela. O sentimento de medo só se agravaria. "Cerca de 15 minutos passaram-se e eu fui usar o banheiro, e pegar mais água."

  Quando ela voltou para a porta do estúdio, olhou através de um painel de vidro pequeno e viu algo que congelou-a. Um homem que ela não conhecia do lado de fora do vidro de observação estava à sua frente, olhando para o estúdio. "Havia uma pessoa que estava do outro lado apenas olhando para os equipamentos de informática", disse ela. "Eu não sei como eu pude gritar tão alto."
  O homem parecia ser um estudante universitário, "asiático, de cabelo escuro ", disse Bailey. "Ele estava vestindo calça cáqui e uma camisa azul. Foi assustador. "
  Enquanto Bailey estava de pé, olhando para esta aparição, uma de suas lentes de contato rasgou repentinamente. Depois que ela removeu-a de seu olho, ela olhou novamente em direção a janela de observação, mas o homem havia sumido. "Eu fui para o corredor de observação, mas ninguém estava lá", disse ela. "Eu gritei, 'Olá', mas ninguém respondeu."
  Embora Bailey tivesse ouvido rumores de que Wells Hall fosse assombrada, ela nunca tinha ouvido falar detalhes, até que ela postou sobre seu encontro insólito no Facebook. Então, ela obteve um nome e uma data: Amos Wong, 1991. Caminhando com alguma apreensão para o corredor para uma estante contendo décadas de anuários torre, ela tirou o livro do ano 1991 e folheou para o índice. "Eu senti que ele estava olhando para o livro comigo", disse Bailey. "Eu estava virando as páginas, olhando para o seu nome. Eu senti que alguém estava comigo. "
  Então, ela o encontrou, Amos Wong, um fotógrafo do anuário. O rosto na foto de grupo olhando para ela era o mesmo que ela tinha visto através da janela do estúdio de rádio. "Isso me assustou", disse ela. "Foi muito estranho."
  Bailey não é a primeira pessoa que encontrou Amos Wong.

  Dominic Genetti, um ex-repórter do jornal estudantil 'The Northwest Missourian', viu Amos em 2008. "Eu me virei e olhei para fora pelo canto de meu olho e eu podia jurar que vi alguém com uma camisa azul", disse ele. "Não era um azul royal, apenas azul. E eu não podia realmente ter compreendido direito a sua forma, mas foi definitivamente uma pessoa que eu vi passar. "
  Quando Genetti olhou, esperando alguém para virar a esquina em direção a ele, ninguém apareceu. "Eu entrei no corredor e não havia ninguém no subsolo", disse ele. "Houve vezes no Laboratório de Convergência em que a luz acima de mim tremeu. Havia um reflexo no computador Mac que parecia de alguém andando atrás de mim. E eu olhei para trás e não havia ninguém lá. "Antes das câmeras digitais, havia o Laboratório de Convergência, mais conhecido como a câmara escura.


  Amos Wong morreu em um acidente de carro em 1991. A professoa assaistente Laura Widmer, ex-assessora de publicação estudantil na Northwest Missouri State, disse que Wong tinha uma paixão pela fotografia. "Ele esteve na equipe por um ano", disse Widmer. "Ele era um estudante internacional que gostava de fotografia e se juntou ao pessoal do anuário. Ele era um tipo de cara sossegado. Não faria mal a ninguém. Havia pouca malícia em seus olhos. "
  No outono de 1991, após a morte de Wong, os alunos que trabalhavam nos meios de comunicação da escola começaram a perceber algo estranho no porão. Um aluno que havia trabalhado na equipe com Wong disse à Widmer: "Você sabe, Amos está de volta na câmara escura '", disse Widmer. "Eu não tenho certeza se ele viu Amos, mas haviam coisas acontecendo e luzes piscando. Apenas ocorrências estranhas. Fotógrafos diziam que havia alguém na câmara escura com eles. Apenas parecia como se tivesse mais alguém ".
  Esse sentimento parece se espreitar por Wells Hall. "Há momentos em que você acabou de ter essa sensação e aí você não quer ir para o outro lado do porão", disse Genetti em 2008. "Há momentos em que eu simplesmente não quero ir para lá."
  Bailey concorda. Ela às vezes se sente desconfortável em ir trabalhar quando o prédio está supostamente vazio, porque ela sabe o que ela viu. "Era um fantasma?", Ela perguntou. "Eu vou responder à minha própria pergunta. Sim. Você ouve histórias sobre Wells Hall ser assombrada - ela é ".





Compartilhe no Facebook Compartilhe no Tweeter Compartilhe no Google+ Inscreva-se no nosso Feed Voltar ao Início Image Map

Comente com o Facebook: