sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Giro 33 #1






Empresa acha placa de gordura de 15 toneladas em esgoto  
Londres, Inglaterra
  Nesta imagem sem data, divulgada pela Empresa de Águas Thames, pode-se ver uma pedaço das 15 toneladas de gordura e outros detritos coagulados dentro de um esgoto principal da cidade de londres, o qual eles passaram muitos dias para conseguir remover do dreno. A empresa declarou na terça-feira, 6 de Agosto de 2013 que esse foi o maior "iceberg de gordura" já registrado na Grã-Bretanha, ela possuía o tamanho de um ônibus e estava presa em um dreno no esgoto londrino.








Menino de 11 anos é flagrado dirigindo em rodovia 

Santa Catarina , Brasil 
Menino de 11 anos é flagrado dirigindo em rodovia de SC
   Um menino de 11 anos foi flagrado na manhã deste domingo (4) dirigindo um carro na BR-153, em Irani, no oeste de Santa Catarina.
  Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, policiais que estavam trabalhando na rodovia estranharam ao ver uma criança no volante e decidiram seguir o carro, que parou poucos metros à frente.
O pai, que estava no veículo, disse que pediu para o filho dirigir porque sentia dor na coluna. O carro estava a uma velocidade de 50 a 60 km/h, de acordo com a PRF.
  Além do pai da criança, a mãe e outros dois irmãos mais novos também estavam no carro – um Fiat Uno sem o retrovisor esquerdo, sem para-choque e com dois pneus lisos.
  O carro ainda estava com a porta traseira amassada, um banco quebrado e o licenciamento vencido desde 2009. A família não usava cinto de segurança.
  Após o flagrante, o carro foi retido e o dono deve responder pelas irregularidades do veículo. Segundo a PRF, o pai também responderá criminalmente por entregar a direção a pessoa não habilitada.
A polícia não informou os nomes dos envolvidos e nem se eles já constituíram defesa.


Após raio, picada de cobra, ataque de macacos, agora um tubarão!
Estados Unidos
O americano Erik Norrie, 40, conversa com jornalistas enquanto se recupera no Tampa General Hospital nesta terça-feira (6), após ataque de tubarão (Foto: Will Vragovic/The Tampa Bay Times/AP)

   Dependendo do ponto de vista, o americano Erik Norrie, da Flórida, pode ser considerado o homem mais azarado ou o mais sortudo do mundo. Azar porque, depois de ser "atingido" por um raio, picado por uma cobra e atacado por macacos, ele acaba de ser vítima de um tubarão e sofrer uma "mordida horrível". Sorte porque sobreviveu a cada um desses episódios, que ocorreram espaçadamente ao longo de seus 40 anos de vida. É o que ele conta ao "Daily News".
   Em reportagem publicada em seu site nesta terça-feira (6), o jornal informa que Norrie deu entrada em um hospital de Tampa, na Flórida, no último domingo (4), cerca de uma semana após seu mais recente "encontro com a morte". Na ocasião, um pedaço da perna esquerda do homem teria sido arrancado.
"Eu senti uma força tremenda atingir minha perna", descreveu. "Quando olhei para trás, vi o tubarão rasgar a lateral da minha perna. Ele estava balançando a cabeça e comendo." Na ocasião, segundo o jornal, Norrie se dedicava à pesca submarina e estava regressando ao barco de sua família. Ele é proprietário de uma empresa que faz pinturas de embarcações.
   Ainda segundo a reportagem do "Daily News", o americano conseguiu permanecer vivo porque se livrou do tubarão e encontrou refúgio em um banco de areia, onde improvisou um torniquete, utilizando um pedaço da lança de um arpão. Ao mesmo tempo, a filha contatou uma médica por rádio – ela estava em outro barco e chegou rapidamente.
"Tinha sangue jorrando em três direções, como uma batida de coração", comparou Norrie. Ele depois foi levado a um hospital e estabilizado. Em seguida, voou de helicóptero até Miami, onde passou por cirurgia antes de, por fim, chegar ao Tampa General Hospital.
De acordo com o relato de Norrie, o primeiro teste para seu "dom da sobrevivência" ocorreu aos dez anos de idade, quando foi lançado ao ar após uma árvore ao seu lado ser atingida por um raio durante uma tempestade. O pequeno Norrie saiu ileso.
   Cerca de três anos adiante, teve de passar duas semanas sob cuidados intensivos e quase perdeu a perna direita depois de uma cobra mordê-lo durante uma caminhada com amigos em um country club de sua cidade. Houve, ainda, dois ataques de macacos, mas nenhum tão grave quanto o de tubarão.
"Acredito, do fundo do coração, que o Senhor foi quem me apoiou durante tudo o que aconteceu", afirmou ao "Daily News" sobre o evento da semana passada. A previsão dos médicos é de que Norrie se recupere em alguns meses. Nesta quarta-feira (7), ele passa por cirurgia para fazer um enxerto na panturrilha.


'Morto' sai do caixão para beber água
China
  A imagem de um chinês que se levantou do caixão para beber água durante seu enterro faz sucesso na web na China. A foto foi compartilhada por vários usuários da rede social Weibo (similar ao Twitter). O caso ocorreu no último sábado (3) na cidade de Wuhan. 
Vendedor de refrigerantes fingiu sua própria morte para que sua família recebesse uma indenização (Foto: ReproduçãoWeibo)

   O vendedor de refrigerantes fingiu sua própria morte para que sua família recebesse uma indenização. Mas, por causa do forte calor dentro do caixão, ele saiu correndo em pleno funeral para beber água, deixando todos espantados com sua "ressurreição".
   O homem, de sobrenome Han, simulou ter morrido após uma surra de policiais locais, os temidos "chengguan", um corpo que nos últimos meses apareceu nas páginas de notícias por ter causado a morte de vários vendedores ambulantes em outras cidades da China.
   Han tinha sido detido em uma das frequentes batidas que os chengguan realizam em muitas localidades da China para controlar os vendedores ambulantes. Após esse incidente, outros vendedores detidos, que haviam combinado previamente com Han, garantiram que ele tinha morrido após apanhar dos policiais, por isso a polícia local deveria indenizar seus familiares com uma alta compensação econômica.
   Para dar mais veracidade a sua trama, Han foi colocado em um caixão e foi carregado por dez homens pelas ruas de Wuhan, mas as altas temperaturas da cidade frustraram o plano mirabolante.
   Durante o funeral, no qual compareceram 300 pessoas e que era vigiado por 80 policiais devido à sensibilidade do fato, Han saiu repentinamente do caixão, pegou uma garrafa de água e, após dizer "não posso mais", bebeu tudo com um gole.
   O incidente virou uma piada sobre as altas temperaturas que atingem a China desde julho.


'Ninjas' tentam tomar o trono
Malásia

  Guardas do palácio real confrontaram suspeitos de seguir líder muçulmano.
Uma criança de 11 anos fazia parte do grupo, segundo a polícia.
   Dez pessoas vestidas em trajes de estilo ninja foram detidas depois de chegarem ao palácio real da Malásia em uma bizarra tentativa de tomar o trono do país, informa a polícia local.
O grupo, que não tinha armas e segundo a imprensa é suspeito de seguir um muçulmano malaio que alega ser descente da realeza, foi impedido por guardas durante um confronto na manhã deste domingo (4) em um palácio na cidade de Kuala Lumpur.
   Um oficial classificou como "inacreditável e nada ordinária" a demanda do líder do grupo. "A alegação dele não faz sentido. [Ele] diz ter uma carta com origem nas Filipinas", afirmou a jornalistas Ku Chin Wah, oficial de polícia de Kuala Lumpur.
   Ele se recusou, no entanto, a identificar os detidos ou seu líder. Disse ainda que estão sendo investigados segundo um lei que proíbe que seja confrontada a autoridade do rei – ato que pode resultar em prisão  perpétua – e também por ação coletiva ilegal. No grupo de detidos, há oito homens e duas mulheres, incluindo uma criança de 11 anos de idade, informa Ku Chin Wah.
   A imprensa da Malásia chegou a noticiar que Wah havia dito que os "ninjas" estavam armados apenas com bandeiras e documentos que supostamente tinham referência com o propósito de tomar o trono.
O jornal "The Star" informa que um dos documentos cita a formação de um poderoso exército de 3 milhões de pessoas preparadas para a chegada de Mahdi, um "redentor" profetizado pelo Islã.
  A Malásia tem um sistema exclusivo, no qual sultões muçulmanos de nove estados do país ocupam o trono como rei, em um esquema de rodízio. A substituição ocorre a cada cinco anos.
O rei atual é o sultão Abdul Halim Mu'adzam Shah, 85. Embora seu papel seja mais decorativo, ele tem grande respeito da população. A Malásia ocasionalmente tem problemas de segurança com pequnas seitas ou cultos.
  Em um dos principais episódios do tipo, uma seita de artes marciais induziu seus membros a pensar que fossem invulneráveis a balas e a se disfarçar de soldados. Eles roubaram mais de 100 armas de dois arsenais militares em 2000. Três desses integrantes foram executados por planejar uma "guerra santa", e 16 outros foram condenados à prisão perpétua por traição.


Menino de 13 supostamente mata a família e após isso vai à escola
Crime aconteceu em São Paulo. Menino de 13 anos "contou" a amigos que sonhava assassinar pais, fugir e ir morar em local isolado.
Foto da família, à direita o suposto assassino de 13 anos.

  O delegado Itagiba Franco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), informou na tarde desta quarta-feira (7) que as três armas encontradas pela perícia complementar na casa da família de policiais militares mortos na Vila Brasilândia, na Zona Norte de São Paulo, reforçam a tese de que não havia ninguém além das vítimas na cena do crime.
   Segundo ele, caso as quatro pessoas não tivessem sido assassinadas pelo garoto Marcelo Pesseghini, de 13 anos, que depois se matou, as armas que pertenciam ao policial militar teriam sido levadas. A perícia complementar foi feita na noite desta terça-feira (6) nos imóveis que ficam num mesmo terreno da Rua Dom Sebastião.
"Isso reforça a ideia de que não houve ninguém de fora na casa. Se tivesse entrado alguém de fora, alguém estranho, fatalmente as armas teriam sido levadas", disse Franco.
Segundo a perícia, os policiais militares Luís Marcelo Pesseghini, de 40 anos, e Andréia Regina Bovo Pesseghini, de 36 anos, foram, na ordem, os primeiros a serem assassinados. Em seguida, a avó de Marcelo, Benedita de Oliveira Bovo, de 67 anos, e a tia-avó, Bernadete Oliveira da Silva, de 55 anos, foram mortas, segundo o SPTV.
"A mãe correu para a sala para socorrê-lo [o marido], pode ter se ajoelhado e, então, foi atingida", afirmou o delegado.
   Segundo Franco, a avó e a tia-avó do garoto tomavam remédios antidepressivos que ajudam a dormir, o que pode explicar o fato de não ter acordado com os disparos e também estarem em posições que indicam que dormiam. A tia, Bernardete, inclusive foi morar com a família em razão da depressão, segundo Franco.  Os medicamentos foram encontrados pela polícia ao lado da cama das vítimas. 
  Os laudos do Instituto Médico Legal (IML) ajudarão a determinar o horário aproximado das mortes e a estabelecer a dinâmica do crime. Segundo Franco, ainda serão ouvidos vizinhos e policiais militares que conviviam com a família.
   A perícia da Polícia Técnico-Científica também mostrou que todos os tiros saíram da mesma arma, uma pistola .40 que pertencia a Andréia. Ele utilizou a mesma pistola para se matar, segundo os peritos. A arma estava na mão do garoto, que estava com o dedo no gatilho.
  Segundo a investigação, as pegadas do adolescente na casa mostram que, depois que volta da escola, ele vai até a mãe já morta, passa a mão no cabelo dela e depois se mata. Foram encontrados fios de cabelo que seriam da policial militar entre os dedos do filho.
Mais exames
   Os exames realizados no veículo da família encontraram um par de luvas no banco de trás. As peças foram mandadas para análise, que vai mostrar se havia vestígios de pólvora. O carro, segundo a polícia, foi usado por Marcelo após o crime para ir até a escola, que fica a cerca de 5 km do imóvel onde ocorreram os assassinatos.
O exame nas luvas será mais uma ferramenta para indicar a autoria do crime, já que o exame residuográfico feito na mão de Marcelo deu negativo para vestígios de pólvora.
  A polícia acredita que Marcelo matou os familiares entre a noite de domingo (4) e a madrugada de segunda (5). Em seguida, dirigiu o veículo Classic também da mãe até a escola, estacionou por volta da 1h15 de segunda-feira e ficou por cinco horas no veiculo, saindo para a aula às 6h30. Câmeras de segurança mostram ele se dirigindo ao colégio.
  Segundo Franco, na segunda perícia feita na casa na noite desta terça-feira (6) foram recolhidas novas armas. "Foram encontradas duas armas que pertenciam ao policial e que estavam guardadas na casa".  Além dessas duas novas armas, já haviam sido apreendidas a pistola .40, que pertencia à policial militar, e uma outra arma que era de um avô de Marcelo.
Depoimentos
   O delegado afirmou que novos depoimentos são esperados nesta quarta-feira no DHPP, no Centro de São Paulo, mas não informou quem foi convocado pela Polícia Civil.
Nesta terça-feira, Franco havia dito que um amigo de escola, cujo nome não foi revelado, contou em depoimento à polícia que o garoto Marcelo Pesseghini, de 13 anos, já tinha manifestado o desejo de matar os pais e que queria ser "matador de aluguel".
"Esse amigo (do Marcelo) nos disse hoje: 'desejo manifestado pelo Marcelo: ele sempre me chamou para fugir de casa para ser um matador de aluguel. Ele tinha o plano de matar os pais durante a noite, quando ninguém soubesse, e fugir com o carro dos pais e morar em um local abandonado'", relatou Franco.
  Diante das evidências obtidas pela polícia nesta terça-feira, o delegado afirmou que tudo "leva a crer que o Marcelo matou os pais" e os parentes. "Ele já tinha esse desejo que, na minha opinião, veio a concretizar. Foi uma tragédia familiar. De uma forma silenciosa, ele vinha se preparando para alguma coisa", completou.
  De acordo com o delegado do DHPP, havia uma dúvida ainda em relação a quem havia estacionado o carro da cabo Andréia Regina Bovo Pesseghini em frente à escola onde Marcelo estudava, na manhã de segunda-feira. "Quem teria tirado o carro de lá? Qual a razão desse carro estar na proximidade da escola do garoto? A chave (do carro) ainda não havia sido encontrada. De início, nós acreditávamos que um garoto de 13 anos não teria condições de tirá-lo de lá. Mas um perito me informou que a chave estava no bolso da jaqueta do menino que estava na sala. Tudo vai se encaixando", disse.
  Segundo Itagiba Franco, a imagem de uma câmera que fica próxima ao ponto onde o carro da família foi estacionado mostra que um jovem desce do banco do motorista e atravessa a rua. O amigo de escola teria reconhecido Marcelo como a pessoa que aparece nas imagens. Ainda de acordo com as investigações, o estudante comentou com uma professora do colégio que já tinha dirigido um buggy uma vez.
Uma das professoras de Marcelo relatou à polícia que teve uma conversa com o menino, onde foi indagada por ele se ela já havia dirigido um carro e se ela já havia atingido, de alguma forma, os pais. "Ela achou estranho aquela conversa, mas respondeu de uma forma, assim, profissional, e manteve aquela linha de raciocínio."
   O pai do melhor amigo de Marcelo informou que deu carona ao menino na volta da escola. O suspeito, então, teria pedido para o homem parar o carro para ele ir até o Corsa prata da mãe, que já estava estacionado próximo à escola.
"Ele saiu do banco do carona, se dirigiu até lá, abriu o carro, pegou alguma coisa, voltou, entrou e foi até a casa dele. Na casa, o pai do amigo teria perguntado a ele queria que buzinasse, alguma coisa assim. O menino disse que não, porque os pais, a avó e a tia-avó estariam dormindo. Então, ele procurou descartar qualquer tipo de aproximação de estranhos da casa", relatou o delegado.
  História estranha, muito estranha e mal contada.






Compartilhe no Facebook Compartilhe no Tweeter Compartilhe no Google+ Inscreva-se no nosso Feed Voltar ao Início Image Map

Comente com o Facebook: